quarta-feira, agosto 13, 2014

DEVANEIOS - " EXÍLIO"


30 comentários:

  1. ~ ~ Pesquisei e soube agora que publicaste o teu livro de poesia-- "EM OURO CRU"-- já há 10 anos.

    ~ ~ Parabéns São amiga. Já publicaste mais?

    ~ ~ Exílio... Sentem-no todas as pessoas que sofrem de solidão. São exercitos e exércitos de pessoas exiladas circulando em países livres.

    ~ ~ Os encontros felizes são muito raros. As pessoas receiam voltarem a magoar-se e acostumam-se a ser independentes.

    ~ ~ ~ ~ ~ Um abraço especial, muito amigo. ~ ~ ~ ~ ~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não publiquei poesia, senão em obras colectivas ou aqui.

      Mas não gosto muito da minha poesia, só de alguns poemas .

      Acho que não escrevo mal, passe a imodéstia, mas em prosa.Ou , mais ou menos, em prosa poética.

      Estou a trabalhar em escrita, mas nada de poesia, rrss

      Tens razão, exílio neste momento parece ser partilhado por muita gente e de muitos modos.

      Gratissimo abraço e bem hajas, amiga !

      Eliminar
  2. Não nos sentiremos todos em exílio atualmente? (Se te serve de consolo....)

    Beijinho!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Parece-me bem que sim, Graça, estamos todos muito sofridos e exilados...

      Abraço agrande

      Eliminar
  3. Estamos todos exilados/exiladas de uma forma ou de outra.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, mas estarmos exilados e em trabalhos forçados enquanto os responsáveis não sofrem consequência alguma... fere e desgasta!

      Fica bem :)

      Eliminar
  4. Vou repetir o que outras já disseram, mas é inevitável. também me sinto exilado. E cansado deste longo caminho de martírio que nos obrigam a percorrer.
    Gostei muito do teu poema.
    Um bom FDS prolongado

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Para quem está a suportar esta carga de sofrimento não há como não sentir o exílio, o cansaço e a dor, meu amigo!

      E a revolta, quando virá ao de cima?!

      Grato abraço , amigo.

      Eliminar
  5. Lindo... lindo... lindo... principalmente esse pedaço - "onde nao se vislumbra uma unica sombra de ternura ou calor"...

    Beijos querida...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Minha querida,grato beijo pela generosidade da apreciação :)

      Eliminar
  6. Bonito poema, São.
    Apesar do tom triste, é muito bonito.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Grato abraço, Pedro, pelo apreço!

      Eliminar
  7. Epah, isto parece ser extraído da entrevista do Salgado ao Diário Económico, de hoje (só que a ele ficaram-lhe com o ouro para ser cozido).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não li a entrevista, mas sei que , irá lutar pela sua dignidade e pela da Famiglia...fiquei muito comovida , até pela falta de ouro , "tadinho"

      Eliminar
  8. Estou curiosíssimo por saber qual o impacto do BES, bom e mau, no défice, acho que vou iniciar apostas nos 5%.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu nem me arrisco a denir percentagens, do que tenho a certa certeza é de que, mais uma vez, é dos nosso rendimentos que vai sair o dinheiro para pagar mais uma fraude !!

      Bom final de semana prolongado.

      Eliminar
  9. Estou dentro deste grito e desta revolta.
    O deserto adensa-se o calor da desgraça sufoca-nos.
    Eles, os inimputáveis,brincam aos orçamentos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ...e Portugal está a ser estrangulado por esta corja , sem que um povo abovinado reaja !!!

      Bom fim de semana prolongado.

      Eliminar
  10. O poema é lindo , mas não te vejo nalgumas palavras .

    Mas pensando melhor . . . " todos temos os nossos dias " .


    Um abraço , poeta [ gostava de conhecer esse livro que tem um belo titulo ]

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não há armadura que não tenha uma frecha, não é?

      Grata pela tua generosidade, Maria.

      Quanto ao livro, penso que terias uma desilusão, porque a minha poesia tem alguns rasgos...mas na sua maior parte não vale nada por aí além.

      Bem haja, amiga !

      Eliminar
  11. É um belo poema...um pouco tristonho...provavelmente num momento em que a "alma" se sentis um pouco perdida!
    Bj e gosto do seu "jeito" de bem "dizer"!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A minha vida não tem sido propriamente fácil ...e quando escrevi o poema estava muito triste, porque a injustiça é algo que me desgosta

      Grato abraço pela apreciação e bom final de semana prolongado, amiga

      Eliminar
  12. É um belo poema. Triste, mas belo..
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Grato beijo pela sua amabilidade, amiga!

      Eliminar
  13. Olá, São!

    Feliz a imagem sugerida pelo título dado a este teu "poema-desabafo." O de alguém poder sentir-se exilado no próprio país.E também acho que tal terá mais a ver com a forma como cada um sente a vida do que com o dito, já que se poderá ser feliz em qualquer lado...Não falta gente por aí, sendo igualmente verdade que este país pouco ajuda...

    Bem à vontade e em casa se sentirá o Salgado, a quem já estão a tratar de lavar a imagem...

    E acabo dizendo que é muito bonito e bem escrito o poema, ainda que tenha um ar tristinho...

    Bom fim de semana e abraço amigo
    Vitor

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quem é decente, sente-se em ex+ilio neste momento, amigo...

      Salgado e patifes do género, que nem sabem sequer o é honra, estão como peixe na água : sabem que nada lhes acontecerá e que o reformado de Boliqueime ainda lhes dará condecorações no 10 de Junho.

      Pobre Camões , que foi infeliz em vida e até na morte lhe fazem uma desfeita tão imerecida !!

      Obrigada por achares o poema bem escrito, e tens razão é triste mesmo, porque a injustiça sempre me afligiu.

      Abraço grande e amigo, Vítor!

      Eliminar
  14. Que surpresa! Gostei do poema, amiga! Quero mais! Parabéns!
    (E claro que escreves bem e sem papas na pena! )

    BJO, São :)

    ResponderEliminar
  15. És muito generosa, amiga!

    Gratissimo beijo :)

    ResponderEliminar

"BENVEGUT AQUÈL QUE NOS VEN MANS DEBÈRTAS"
(Saudação Cátara)

Arquivo do blogue