quarta-feira, janeiro 16, 2008

UMA HISTÓRIA COMUM

Entrou no carro, feliz e contente .

Quando o veículo arrancou, com a família a modos que alvoroçada , acomodou o corpo e começou a olhar para a paisagem por onde iam passando.

Saíram da cidade e tomaram por caminhos que não conhecia nem sabia onde levavam.

Mas isso não foi motivo de preocupação, pois sempre gostara de descobrir horizontes largos onde pudesse dar largas à sua alegria e espalhar as suas energias.

E estas eram muitas, acumuladas que eram durante dias a fio no espaço relativamente escasso do apartamento .

Quando tinham andado muito tempo ( até lhe pareceu serem duas ou três horas) , o João parou, abriu a porta, olhou para ele e desafiou-o como era habitual:

-Vamos!...Anda!

E ele foi, alegremente.

E correu...

E brincou...

E foi até ao regato, onde acabou por se molhar...

E, de repente, pareceu-lhe ouvir o motor do carro .

O motor do carro?!...

Estacou na corrida , voltando a cabeça para trás...e não quis , não pôde acreditar naquilo que os seus olhos viam tão claramente: o carro arrancara e iam-se embora sem ele!!

Em três ou quatro saltos galgou a distância que o separava da estrada e começou correndo, em desespero, pelo asfalto negro.

Mas , já com os pulmões sem receberem o ar necessário e o coração querendo estoirar dentro do peito, viu-se obrigado a parar e a ver o carro tornar-se cada vez mais minúsculo até desaparecer de vez.

E, de repente, deu-se conta de que a família que o criara , alimentara e lhe dera cuidados e mimos o deixara ali e o abandonara sem remorsos e sem ter em conta a sua nula preparação para lutar pela sua sobrevivência num meio estranho e hostil.

"Ele"...era um cão!

Que a música nos suavize a vida:

http://www.youtube.com/watch?v=gLmkduP8ing


90 comentários:

  1. Querida São...
    Já conhecia o texto que aqui postas... quem o lê na totalidade não pode deixar de se arrepiar... é inconcebível!

    Tenho passado rapidamente para ler as tuas coisas. Gostei muito do post sobre a amizade e tomei para mim as tuas palavras, pois também sinto que encontrei aqui uma amiga. Não estranhes as minhas ausências... por vezes passo para ver e não tenho tempo ou forças para comentar... o trabalho é muito e a saúde não ajuda...

    Beijo muito grande...

    ResponderEliminar
  2. Obrigada!

    E que a tua saúde se recomponha depressa!

    Abraço-te!

    ResponderEliminar
  3. São, ofereço-te a lágrima (real) que cai na minha face...desculpa...

    ResponderEliminar
  4. Pois así é o xenero humano, mal que nos pese.
    ¿Como se pode abandoar a un can que criaches e que forma parte da túa familia? a xente que fai esto é a que tamén é capaz de abandoar ao seu avó nunha gasolineira.
    Unha aperta.

    ResponderEliminar
  5. AMIGONA AVÓ E A NETA PRINCESA:
    Desculpa?!..Oh, minha linda...
    Grata fico.

    Abraço grande!!

    ResponderEliminar
  6. RIFO I ZEURQUINE:
    Tens rzão, linda.
    O ser humano também é ...isto!
    Bicos.

    ResponderEliminar
  7. Quem faz uma coisa assim?????

    ResponderEliminar
  8. PITANGA:
    Quem de ser humano, pouco mais tem do que a forma, querida!

    Abraço.

    ResponderEliminar
  9. Olha, São,estes relatos enchem-me de angústia pois tenho 3 cães e sei como eles são sensíveis, como amam e como se entregam aos donos.
    Mas o que está verdadeiramente em causa é a capacidade dum ser humano ser capaz de abandonar um ser vivo e ficar indiferente à sua sorte. Essas pessoas estão a desenvolver um monstro que se revelará em muitas ações futuras.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  10. SILÊNCIO CULPADO:
    Pois é , Lídia, eu tive uma dálmata que era uma doçura e também, como tu, acho inconcebível este tipo de crueldade!
    Guardam monstruosidade em si, sim, e que se revelará em actos mais graves ainda!
    Um abraço, querida!

    ResponderEliminar
  11. Buena historia y que la música, en efecto, nos alegre la vida. Me gusta la música que pones, mucho.

    ResponderEliminar
  12. Nunca gostei de cães e por isso nunca os quis.
    Por uma questão de princípios também não gosto de quem os abandona...
    é uma questão de personalidade... ou falta dela.

    Um grande abraço e muito obrigado.

    ResponderEliminar
  13. PEDRO OJEDA ESCUFERO:
    Folgo em que te agrade, pois a mim também...Gracias.
    Saludos.

    ResponderEliminar
  14. FRANCIS:
    Eu tinha medo pânico de cães, por questões psicológicas...mas sempre detestei vê-los vítimas.

    Saudações.

    ResponderEliminar
  15. Gosto de todos os animais.
    Mas prefiro não tê-los em casa por vários motivos. Há quem não raciocina sobre esses motivos, adquirem os bichos e depois os abandonam.
    Sinto muito ver pelas ruas a vagar cãe abandonados.
    A musica´é linda!!

    ResponderEliminar
  16. Eles não o fariam!!!

    Compartilhei minha vida com quatro canes, dois pastores alemães um pequeno Terryer e atualmente compartilho minha existência com um carinhoso Boxer.

    Não concebo como pode ter pessoas tão cruéis.

    São, Besos

    ResponderEliminar
  17. Passei para agradecer a visita!
    Prometo voltar mais vezes.
    Um beijo grande.

    ResponderEliminar
  18. NANA LOPES:
    SE não podemos tê-los, mais vale mesmo não os adquirir , para depois os abandonar.

    A Sibila é um cântico pagão espanhol cristiniazado de que gosto muito... e fico feliz pot re agradar.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  19. DESI:
    Meu amigo, há desgraçadamente muita crueldade no ser humano.

    Eu tive uma dálmata, por quem chorei muito quando morreu e que me faz muita falta!

    Petons!

    Ah, mudaste a foto!!!

    ResponderEliminar
  20. JOANA:
    Pois será sempre bem vinda!

    Fique bem!

    ResponderEliminar
  21. É preciso ser muito cobarde para abandonar os cães à sua sorte.
    Mas eles, normalmente, dão com a casa de novo, a menos que a distância seja muito grande.

    Beijinhos

    PS: há dias perguntavas por que não me interessava a política.
    Provavelmente leste isso no meu perfil. Mas o que eu digo lá é que não me interesso pela militância política.

    ResponderEliminar
  22. NILSON BAECELLI:
    Eu li isso, sim. Mas como digo "militância partidária"..se calhar acbei oir fazer alguma confusão : obrigada pelo esclarecimento.

    Abandonar animais que se criaram é falhar na afectividade , na responsabilidade e ser cobarde, como dizes.

    Geralmente, conseguem voltar...mas receio pelo seu futuro, sabes?

    Fica bem!

    ResponderEliminar
  23. Ele era um cão mas quem o abandonou era mais cão que ele.
    SÃO, vim vê-la.Já linkei este blogue no meu Cadeirão. Não tenho muito tempo disponível mas só vou visitar amigos do peito. Não gosto de fazer fretes.

    ResponderEliminar
  24. Já conhecia este texto. Muito intenso e sofredor. E nós sabemos que a relidade é assim, o que é pior.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  25. Olá Amiga,

    Não pude deixar de sentir alguma comoção ao ler este teu artigo... Infelizmente, muitos abandonam seus animais... Será que são dignos de afeição?!

    Um beijo amigo para ti,

    Maria Faia

    ResponderEliminar
  26. WALTER:
    Pois agradeço a distinção, amigo.

    Eu também não faço fretes.
    Venha sempre.
    Fique bem.

    ResponderEliminar
  27. Sempre que vejo um texto semelhante a este fico verdadeiramente triste pela insensibilidade, maldade, inconsciência e egoismo desmedido de certas pessoas!
    Não sei como é que é possivel alguém adoptar um animal, que tem sentimentos, e depois abandona-lo como se fosse lixo!será que quem tem essas atitudes não pára um pouco para pensar na estupidez e crueldade que está a fazer???
    Beijocas grandes

    ResponderEliminar
  28. ELVIRA:
    A minha amiga e a amiga Alice Matos pensam conhecer o texto, mas não.

    Conhecem outro semelhante, porque este escrevi-o eu ...embora me inspiraase na intervenção de um Formador espanhol com quem trabalhei há muitos anos atrás em Lisboa.

    A realidade é pior, até porque há muitas outras formas de desrespeito pelos animais.

    Abraço-a.

    ResponderEliminar
  29. MARIA FAIA:

    Sinceramente, penso que não!

    Volta, porque me dás grande prazer!
    Abraço-te!

    ResponderEliminar
  30. SEI QUE EXISTES:
    Não param para pensar porque não respeitam nada, penso eu!

    Volta, serás bem vinda!
    Abraço.

    ResponderEliminar
  31. Oi linda ...está bem?!
    pois olha eu ainda nem consigo respirar fundo...chiça!!!
    Deixo-te uma adivinha:
    -sabes qual é o destino dos perús e dos pavões?...
    Fui antes que estoure.

    Beijão grande para ti

    ResponderEliminar
  32. LAURENTINA:
    Será Bruxelas ?!
    Será Direcções de Institutos ou afins?!
    Ser+a o raio que os parta?!

    Abraço-te!

    ResponderEliminar
  33. São!
    Seres humanos são mais animais que os próprios animais, e ainda falamos que somos humanos!!!!
    Um abraço!

    ResponderEliminar
  34. ELENARA CASTRO TEIXEIRA:
    O animal humano é o único animal a matar por simples prazer!!
    Abraços.

    ResponderEliminar
  35. O ser humano é mesmo abaixo de cão quando dá largas ao seu lado animalesco.

    LUIZ

    ResponderEliminar
  36. pois é...

    pois se até se abandonam pais nos hospitais...

    ResponderEliminar
  37. LUIZ:
    A espécie humana é a única que tem a capacidade de lutar entre si até à extinção da espécie, como sabes também!

    Fica bem!

    ResponderEliminar
  38. ANÓNIMO:
    Ainda bem que regressou!!

    Sim, se até crianças e pessoas idosas são abandonadas e maltratadas, que se pode esperar que façam a animais?!

    Boa noite!

    ResponderEliminar
  39. Non somentes se abandoan animais, senon mesmamente persoas. Así eo egoismo humán que convirte os seres vivos en meras mercadurias para satisfacer caprichos.
    Grazas pola tua preocupación São, non andiven polo blog estos días é simplemente por vagancia.
    Un forte abraço

    ResponderEliminar
  40. A realidade nua e crua. Não conhecia o texto. Mas também não é de estranhar que se faça isso com animais quando se fazem com próprias crianças. O mundo é assim , que havemos de fazer?! Apenas tentarmos dar lições de vida e de humanidade para ver se certas pessoas que praticam esses crimes nos sigam o exemplo. Mais uma deliciosa postagem sobre um tema que muitas vezes lemos e olhamos para o lado. O livro?? Era bom mas é melhor não sonhar alto pois a queda depois é maior. Mas nunca se sabe...
    Um beijo de agradecimento pela visita e pela maneira de encarar as pessoas.

    ResponderEliminar
  41. São
    O estádio de desenvolvimento duma sociedade vê-se na forma como essa sociedade trata os animais.
    Um beijo

    ResponderEliminar
  42. APÁTRIDA:
    HEY, cidadão do mundo!!
    Tinha saudades tuas!
    Ora ainda bem que nada era senão falta de tempo!

    Desgraçadamente, a irresponsabilidade das pessoas(?) chega aos limites da crueldade!

    Cá te espero sempre!

    Forte aperta, amigo.

    ResponderEliminar
  43. EFENETO:
    Bem vindo.

    O texto, escrevi-o eu para o post.
    Se conhecesse , seria um outro...pois eu inspirei-me na história verbal de um espanhol com quem tive uma Accção de Formação há muitos anos atrás, que muito apreciei.

    Quanto ao livro , não perca a esperança.
    Desconheço a sua idade, mas só para ter uma ideia,digo-lhe que aos 30 e poucos anos tinha um livro de poemas prefaciado pelo escritor Urbano Tavares Rodrigues e uns dois ou três poemas nas mãos de Zeca Afonso para os musicar e cantar...e só em 2004 é que foi publicado!!

    Como sabe, tenho 58 anos.

    Regresse sempre!

    ResponderEliminar
  44. NINHO DE CUCO:
    Concisa e precisa apreciação a tua!
    Vem sempre.
    Abraço-te!

    ResponderEliminar
  45. Oie minha amiga São! Uma história linda que poderia ter um final também assim. É duro termos que tomar essa decisão. Quando precisamos dar um companheiro como um cão, criado desde pequenininho, por motivos superiores, doi muito.
    Fique com Deus!
    Beijos

    ResponderEliminar
  46. Sinto do teu leve sopro a certeza do meu amar...)*

    ResponderEliminar
  47. Olá Amiga São, grata pelos parabéns.
    O teu texto deixou-me triste, porque cada vez mais se vê animais adandonados.
    Beijinho com ternura.
    Fernandinha

    ResponderEliminar
  48. Olá São...ele era um cão, um ser que sente como a gente se calhar mais racional do que muitos homens...


    Na noite onde se esconde o canto dos pássaros
    De onde nasce este manto de bruma
    Para que norte viajam os teus anseios
    O que procuras perdido na espuma?


    Bom fim de semana


    Mágico beijo

    ResponderEliminar
  49. Infelizmente o abandono de animais é uma constante, que este texto sirva de lição para todos nós e que acima de tudo nos faça pensar na situação.

    Um beijo.

    ResponderEliminar
  50. OLHOS DE MEL:
    Compreendo isso, porque em determinada altura pensei que seria obrigada a mandar abater a minha cadela dálmata por doença grave...e foi terrível.Graças a Deus , não foi necessário!!

    Abraço-te, querida!

    ResponderEliminar
  51. NETMITO:
    Deixa sempre o teu leve sopro...
    Boa tarde.

    ResponderEliminar
  52. ZÉ LÉRIAS:
    Bem vindo nesta sua primeira vinda, que bem espero se repita muitas vezes.

    Sim, o mal das pessoas é, muitas vezes, nem sequer se darem ao trabalho de pensar!

    Bom resto de semana.

    ResponderEliminar
  53. FERNANDA E POEMAS:
    Felicidades no futuro, linda!
    Acho que a irresponsabilidade do ser humano cada vez está crescendo mais a todos os níveis...

    Bom resto de semana.

    ResponderEliminar
  54. O PROFETA:

    Sim, há pessoas abaixo de animais.

    Agradeço enfeitares com a beleza das tuas palavras este espaço, que também é teu.

    Bom resto de dia.

    ResponderEliminar
  55. JOSÉ NEVES:
    Quem disse que os militares não podem ter grande sensibilidade?!

    Abraço.

    ResponderEliminar
  56. Sem palavras, amiga!!!Infelizmente o que eu sempre digo"o ser dito"humano" e "superior" , que de tantas atrocidades é capaz...
    Jinhos

    ResponderEliminar
  57. MARIA CLARINDA:
    É, concordo...
    Uma lástima o ser humano, por vezes!

    Abraços.

    ResponderEliminar
  58. Anda muito cão por aí, São, com duas patas no chão. Vem ao meu Cadeirão que além dum copo te ofereço umas surpresas. És uma porreirona.

    ResponderEliminar
  59. Um "grande" texto,uma grande realidade,nua e crua,crianças,animais,tudo apanhado de "rajada" por gentes inconscientes e irracionais.
    Quanto mais conheço as pessoas mais gosto dos animais...
    Beijinhos
    Zita

    ResponderEliminar
  60. Olá amiga.
    Peço desculpa mas como li a amiga
    *Alice Matos* dizer que conheçia o texto, pensei outra coisa. O seu a seu dono.

    Obrigado pelo incentivo...acho que vou a tempo pois sou da colheita de 1959.

    Beijo.

    ResponderEliminar
  61. ...esqueci, morei no Vale da Amoreira, terra sua visinha...

    beijo.

    ResponderEliminar
  62. muito bem escrito. suspense até final...

    ResponderEliminar
  63. São
    Enviei-te dois mails. Por favor vê caixa de correio.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  64. Infelizmnet imagem muito comum, Saudações amigas

    ResponderEliminar
  65. COM O DEVIDO RESPEITO PELOS CÃES

    SE FOREM NOSSOS

    ResponderEliminar
  66. WALTER:
    Agradeço o teu convite:acabei de vir de tua casa.
    Saudações!

    ResponderEliminar
  67. Ou estou cheio de sono ou iria jurar que já tinha deixado aqui um comentário, mas não o vejo.
    Infelizmente, não é o texto que me arrepia, o que verdadeiramente me arrepia é o facto deste cenário ser frequente.
    Como vivo aqui pela província, por entre montes e vales, aqui são deixados muitos.
    Tenho em casa dois cães, três gatos e três pássaros de gaiola aberta, vão e vêm. Aqui ninguém está preso por isso não fogem, gostam de nós.
    E quando um deles me falta dou voltas pelos arredores em sua busca.
    Isso já aconteceu algumas vezes, mas eles acabam por voltar.
    Um grande beijinho
    José Gonçalves

    ResponderEliminar
  68. ENTRE LINHAS:
    É tal e qual assim:tudo apanhado por tontice nefanda.

    Volta sempre, que gosto de te ver.

    ResponderEliminar
  69. EFENETO:
    Conheço bem Vale da Amoreira, claro.

    Quando o livro, finalmente , sair convide-me para o lançamento, não esqueça!

    Boa noite!

    ResponderEliminar
  70. HERÉTICO :
    Obrigada...isto às vezes sai, sabes?
    Boa noite.

    ResponderEliminar
  71. AMIGONA AVÓ :
    Que bom ver-te, linda.Também te dou beijinhos.

    ResponderEliminar
  72. SILÊNCIO CULPADO:
    Já te respondi, amiga!
    Abraço.

    ResponderEliminar
  73. C VALENTE:
    Amigo, há cada vez mais pessoas cru´eis, desgraçadamente!
    abraço.

    ResponderEliminar
  74. MAR ARÁVEL:
    Que saudades já tinha!!

    Devemos respeitar os animais , sim!
    Abraço.

    ResponderEliminar
  75. MURILO BATTISTI:
    Vindo de si, agradeço muito.
    Abraço.

    ResponderEliminar
  76. JOSÉ GONÇALVES:
    Não, querido amigo, aqui não perdeste comentário nenhum, não.

    Os animais sabem quem os trata bem e os acarinha, não é?

    Eu não tenho animais, porque não tenho condições para tal!

    Abraço bem grande!

    ResponderEliminar
  77. Histórias tristes de todos os dias.
    Já conhecia este texto ou outro idêntico que por duas vezes me chegou por e-mail, é chocante mas cada vez acontece mais, se as pessoas já não arranjam tempo para os seus velhos, imagina como podem ser generosas com os seus animais?
    No entanto o teu alerta é importante, é sempre importante mexer com as consciências.Eu sempre tive cão e não percebo como se pode ter coragem para atitudes como essa.
    Beijinho

    ResponderEliminar
  78. Percebes, agora, porque sou tão duro com a raça humana (à qual - sei bem - pertenço)?

    Temos a canalhice nos genes. Nos poros. Não conhecemos limites para a nossa crueldade.

    Mas, pensando bem, o que é abandonar um cão, se somos a única espécie que consegue assassinar as suas próprias crias mesmo antes de nascerem? E, ainda por cima, dar a isso protecção legal e criar linhas de (des)montagem para o efeito!

    Viva la muerte!

    ResponderEliminar
  79. Pobres bichos!!!!

    ResponderEliminar
  80. BRANCAMAR:
    Este texto escrevi-o eu , inspirado numa história oral contada por um espanhol, com quem tive o gosto de trabalhar há bastantes anos.

    Eu tive uma dálmata linda, inteligente e carinhosa por quem muito chorei quando partiu.

    Agora não tenho animais, porque não tenho essa hipótese.

    Partilho o teu espanto: como é possível?!

    O meu carinho para ti, minha amiga.

    ResponderEliminar
  81. MONTE CRISTO:

    Mais grave do que o aborto é, para mim, maltratar e abusar as crianças , sabes?

    Abraço-te, meu amigo.

    ResponderEliminar
  82. Cara São

    Não sei se é mais grave ou menos grave. São crimes de tipologia diferente. São é ambos gravíssimos na sua essência. Isto é: por detrás de ambos está o desamor à vida, naquilo que ela tem de mais fraco e indefeso.

    Um abraço enorme.

    ResponderEliminar
  83. MONTE CRISTO:
    Bom , visto desse prisma tens razão.
    É sempre um ataque a quem não tem hipótese de defesa.

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  84. como é que pode haver gente tão malvada???

    fico completamente revoltada quando vejo tanto cão que se vê que foi abandonado ...


    beijinhos

    ResponderEliminar
  85. ISABEL F:
    Acompanho-te na revolta, amiga minha!

    Feliz semana.

    ResponderEliminar
  86. Ai que triste!!
    Poxa, acho que alguém que abandona assim um companheiro deve ter pedras no lugar do coração.
    Bjos

    ResponderEliminar
  87. KARINA:
    Ah, minha querida, nem todas as pessoas são ternas como tu...
    Um abraço, grande!

    ResponderEliminar

"BENVEGUT AQUÈL QUE NOS VEN MANS DEBÈRTAS"
(Saudação Cátara)

Arquivo do blogue