terça-feira, janeiro 22, 2008

AVALIAÇÃO DE DOCENTES

Veio hoje na comunicação social a forma como será avaliada a prestação profissional da docência.

Direi: Até que enfim!!

Sinceramente.

Sinceramente, porque nunca concordei com uma carreira baseada em passagens automáticas. Pela simples razão de não serem justas : não reconheciam quem se esforçava nem puniam quem o não fazia.

No modelo agora proposto o/a docente terá que passar por um conjunto de provas constituído por dois testes escritos e um oral, sendo obrigatória a nota mínima de 14 em cada um deles.

Levanta-se aqui a primeira questão: porquê a obrigatoriedade de 14 em cada exame? Seria mais razoável não fazer depender a entrada na carreira só deste valor, esquecendo o percurso percorrido até ali!

E agora foco o ponto mais importante, na minha opinião!

Significo eu o seguinte: quem exige tem a obrigação de dar condições de trabalho a fim de se conseguir um bom desempenho da profissão!!

Que pretenderá, nesta linha de raciocínio, então fazer o actual Governo?

Repor o poder de compra que a classe docente vem perdendo consecutivamente há seis ou sete anos?

Restaurar o prestígio dos e das profissionais, tão duramente atacado anos a fio?


Promover a articulação Escola- Família ?

Redimensionar as turmas?

Criar condições de disciplina e autoridade nas escolas face à população estudantil ?

Melhorar fisicamente os espaços educativos, tão degradados quase todos?

Promover Formação ( inicial / contínua) de alta qualidade?


Bom, ficaremos por aqui , pois já aí estão muitas questões postas para profunda reflexão!

Fiquem bem!

68 comentários:

  1. Es una buena reflexión sobre la carrera profesional del docente y la legislación.Por mi experiencia, los cambios en España no han premiado el esfuerzo continuado ni antes ni después de entrar en la función docente.
    ¿Se darán cuenta los políticos de que el docente es la primera piedra de una buena educación?

    ResponderEliminar
  2. Todas as questões que terminas por elencar têm uma resposta: NÃO.

    E quanto à avaliação, não creio que seja uma questão de Justiça. Tenho as mesmas apreensões dos Sindicatos: há margem de manobra para perseguição e falta de objectividade em todos os parâmetros de esta Avaliação. Avaliação, sim. MAS!

    Por exemplo, suspeito que eu tenha de avaliar e reprovar quem me avalie.

    PALAVROSSAVRVS REX

    ResponderEliminar
  3. Penso que não!
    Há algum tempo, a actual Ministra da Educação afirmou:" Perdi os professores, mas ganhei os pais."
    Como se fosse possível fazer progredir o sistema educativo sem o docente, que é, como muito bem referes,"a primeira pedra de uma boa educação"!!
    Saludos.

    ResponderEliminar
  4. JOSHUA:
    Numa primeira abordagem, continuo a favor da Avaliação enquanto conceito.

    MAS , mas quando se tiver que se detalhar a concretização ...então, aí sim, estou em acordo contigo: devemos estar bem atentos !!

    Salvé!

    ResponderEliminar
  5. Salve!
    A educação (grafo-o com minúscula inicial intencionalmente) neste país continua a subsistir de cuidados paleativos.
    As políticas duma nação são o reflexo do seu povo. E a política de educação deste país denota a mesma vontade de nada querer arriscar numa mudança profunda, pois que este povo já à muito perdeu a ousadia de se aventurar por novos horizontes.
    Salutas!
    ManDrag

    ResponderEliminar
  6. MANDRAG:
    Ora bem aparecido sja!
    A mudança comporta sempre risco...e, a maioria das vezes, as pessoas evitam isso!
    Muitos !bejinhos!

    ResponderEliminar
  7. Primeiro que essa cor de fundo está a ajudar-me muito. Meus pobres olhinhos!
    Se essa moda de testes pegar no Brasil, ai! ai! No próximo verão teremos uma fila de candidatos a vender cachorro-quente! Ou a inscrever-se em cursos de aperfeiçoamento.
    Abraços.

    ResponderEliminar
  8. observo que o plantexamento e abordaxe da educación ten similares matices dende aquí, enriba da raia.
    O modelo educativo implantado na Espanha nos últimos anos non contempla a realidade xeodemográfica da Galiza e...así nos vai (un fracaso escolar e un desarraigo das zonas rurais moi importante).
    Seguiremos avanzando (agardo)

    ResponderEliminar
  9. CLARICE:
    Está mesmo? Fico contente!
    Aqui também vai ser uma rasoura, vai...
    Fica bem!

    ResponderEliminar
  10. CHOUSA DA ALCANDRA:
    Desconhecia esse facto aí na Galiza! Mas os políticos não conseguem entender que o futuro está na Educação?!
    Unha aperta!

    ResponderEliminar
  11. Testes para a avaliação?
    Parece-me um disparate, mas só lendo...

    Não percebo nada do sistem de ensino. Mas digo isto, porque nas empresas mais evoluídas, as pessoas são avaliadas com base em indicadores predominantemente objectivos.
    E porque há imensa gente que é craque nos testes mas não vale nada na prática. E vice-versa...

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  12. NILSON BARCELLI:
    O problema é esse mesmo: avaliação sim, mas ...como e por quem, com que indicadores?!
    Te espero!

    ResponderEliminar
  13. Avaliação?
    Esperemos para ver, esperemos para ver...

    LUIZ

    ResponderEliminar
  14. Veremos, Luiz, veremos...

    ResponderEliminar
  15. OPINIÃO
    De novo essa problemática sem solucionática!
    Um critério para avaliar qualidade docente, seja na partida da carreira seja na promoção, dever ser aplicado em duas vertentes: vocação para o magistério e capacitação técnica.
    O critério de avaliação, no quesito vocação para o magistério, vai analisar se a pessoa tem realmente as condições exigidas para praticar o magistério: boa aparência, fala fluente, empatia, simpatia, senso de humor, educação, postura, e comunicabilidade.
    Isto se pode fazer, dando um tema para o candidato desenvolver em uma aula, a ser ministrada à uma comissão de professores mais experientes.
    Um tema seria por exemplo “A ida da Família Real Portuguesa ao Brasil” ou “Como preparar bolinhos de bacalhau”.
    Eu passei por esse tipo de avaliação, em 1965! E minha carreira foi desse ano até 2004!
    Aprovado nesse quesito, o candidato deve dar uma aula à mesma banca, de um assunto de sua Matéria, em que poderá ser testado em sua capacidade e profundidade de conhecimentos.
    Na carreira de um professor, o primeiro quesito analisado dificilmente se modifica, apenas vai se consolidando, pois vem da própria vocação da pessoa.
    O segundo quesito, sua capacitação técnica, pode e deve melhorar muito com seu amadurecimento, cursos de verão, pós graduação, etc.
    Uma coisa eu tenho certeza: se o Governo dobrasse os salários dos docentes, o ensino continuaria exatamente no mesmo nível. Professor não melhora sua aula porque o salário dele aumentou. Ou o professor é bom ou é um mau professor e uma avaliação mal feita, com injunções políticas, clientelismo ou protecionismo, coisas muito comuns nas instituições públicas, só vai piorar a qualidade do ensino. Para mim o grande avaliador do professor são os alunos. Eu diria que, como coordenador de cursos, em 70% dos casos as queixas dos alunos têm fundamento, ou a máxima, onde há fumaça há fogo!
    Outra coisa é a autoridade do professor. Não vejo como ela possa ser restaurada por medidas administrativas. Impor respeito na sala, disciplina, ordem, são quesitos de liderança do professor. O que a escola pode fazer? Aumentar o terrorismo disciplinar, com a mentalidade liberal dos dias de hoje? Nem pensar.
    A autoridade se mede naquela aula inicial, na partida. Depois, só com repressão o professor nada vai conseguir.
    Tem que haver uma carreira, sim! Não pode ser por decurso de prazo, porém por mérito. Como avaliar este mérito?
    Um critério são cursos obrigatórios dados por instituições de notório conhecimento, reconhecidas pela comunidade acadêmica. Cada x horas de curso y pontos até completar um mínimo de pontos; um memorial circunstanciado das atividades de aperfeiçoamento do professor e uma nova aula perante a banca e a inquirição do memorial.
    Uma coisa que pode melhorar o rendimento da aula é a quantidade de alunos na sala, mas o professor ruim dá uma péssima aula seja para dez alunos seja para cem.
    Afora esse cuidado com a qualidade do professor, pouca coisa vai melhorar o ensino.
    Muito pode melhorar as condições de funcionários e coordenadores, mas estes têm pequena valia na qualidade de uma aula, ou seja, do ensino propriamente dito.
    A melhoria de salários pode a longo prazo melhorar a qualidade do ensino, na medida em que atrairá para esse mercado de trabalho, pessoas mais competentes. A curto prazo, só aumenta o custo do ensino.
    Porém, como disse no início, essa problemática continua sem solucionática!
    Luiz Santilli Jr
    SP-23/01/2008.

    ResponderEliminar
  16. Admirável Amiga:
    É pelo que expõe que as coisas sentidas pelos Professores/Pessoas vivem instantes de instabilidade e descrença justa numa profissão de "desgaste" emocional, sentimental e físico.
    Os alunos necessitam de atenção, de empenho e dedicação completas.
    Este tipo de avaliação Docente hierarquiza as pessoas e só serve para um facto que registo: Vai virar Docentes contra Docentes.
    São momentos de verdadeira ansiedade e desencanto, acredite?
    É por isto tudo que se assiste a uma imensa precaridade deste emprego que se opta por vocação.
    Somos responsáveis pela exemplar formação/educação que, ssim, não vai longe.
    Vivem-se na escola instantes de angústia e tristeza.
    Avaliar quem e por quem?
    Os Titulares,colegas de uma vida, vão nos avaliar?
    Por amor de Deus!

    Beijinhos amigos a si ae aos seus.
    Com poderosa estima e consideração
    Eternamente

    pena

    ResponderEliminar
  17. Amiga, sempre houve na educação, quem lá está por vocação e dá o máximo de si mesma, e quem lá está porque não teve outra escolha e quer é o ordenado no fim do mês. Por isso eu também sou pela Avaliação. Mas também tenho os meus receios quanto à forma como essa avaliação será feita.


    Á margem deste post. Parece que você quer pôr música no blog e não sabe como fazê-lo. Penso que a maneira mais simples, é ir a http:/imeem.com/ faz o registo que é gratuito, e depois faz o uplaud da música. Se já a tiver nalguma pasta, faz o uplaud daí, se não procura-a no imeem e depois do uplaud, copia o código html e coloca-o na barra como faz para os links ou fotos. Quando quiser mudar a música á só ir ao layout, retirar a que tem e introduzir a nova. Vai ver que é muito simples.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  18. -Preferia que fossem introduzidos aos alunos exames nacionais, nomeadamente no final de cada ciclo. A partir daí, a avaliação dos professores, deveria depender, não só, mas também, dos resultados obtidos pelos seus alunos. Não de forma indexada, mas perante objectivos que em conjunto com a escola tenham sido traçados, e depois, atingidos ou não. Porque não será possivel um professor numa escola, em ambiente sócio-económico degradado, conseguir dos seus alunos, a mesma performance em média, que outro colega em zona mais favorecida. Daí a necessidade de objectivos realistas, levando em consideração o ponto de partida, e exames nacionais, para que exista seriedade na avaliação. Depois outros factores, como actualização profissional por exemplo, poderão ter peso nessa avaliação de desempenho. A mesma até poderia nem ser anual, e sim bi ou tri anual, mas aí terá de ser garantida estabilidade ao corpo docente das escolas, desconheço se estarão preparados para tal.

    ResponderEliminar
  19. Tens toda a razão, mas nunca nada é perfeito. Espero que seja uma avialção o mais justa possivel, para bem de todos...

    Miminhos linda

    Mimi-te

    ResponderEliminar
  20. LUIZ SANTILLI JR:
    Gratíssima pelas clara exposição que nos ofereceu.

    Absolutamente de acordo: a qualidade da docência prende-se com a vocação e a preparação técnica!! Sem dúvida.
    Quanto a autoridade, de facto, depende do/a profissional...em parte. Porque quando , depois, é desautorizado por quem o devia reforçar é complicado.
    E escusado será dizer que sou contra o autoritarismo.

    Também acho que a Avaliação deverá ser livre de coisas completamente alheias, tal como referiu.

    Em Portugal a situação está má, infelizmente. E há muito tempo.

    Mais uma vez os meus agradecimentos pela atenção dada e pelo empenho.

    Bem haja!!

    ResponderEliminar
  21. São, querida amiga, nem sei bem por onde começar! Avaliação, até que enfim?! - NÂO! E digo NÃO porque acho que tal como o Joshua todas as tuas perguntas têm uma só resposta: NÃO! NÃO porque com esta política o que interessa não é ter BONS professores, BONS PROFISSIONAIS, mas através dum sistema repressivo poder manipular, poder perseguir ...
    E depois das pessoas tirarem o curso?! E depois de darem aulas (ano probatório?)...não acho justo poder anular um futuro promisor através do resultado de 3 exames...concebo a avaliação através da análise de provas dadas, através da experiência, através da Formação (que vá, de facto, ao encontro das necessidadesdos professores e do ensino e não para somar pontos!)...concebo a avaliação que faça parte dum TODO e não para o Ministério fazer, nem
    sei bem o quê!!!
    Tens à tua frente uma amiga que há 8 anos pediu ao Ministério que a avaliasse para a bitola de EXCELENTE (eu não faço a coisa por menos!)...fiz documento base, entreguei 3 testemunhas do meu profissionalismo (que segundo a lei fariam parte do júri de avaliação)compilei tudo o que era necessário e - NADA! O Ministério respondeu-me que aguardasse que saísse outra lei que explicasse melhor os pormenores!!!E atenção: eu era licenciada, estava no final da carreira, não ia beneficiar NADA! Apenas queria o reconhecimento PÚBLICO do que fazia e como fazia!

    O Ministério não está interessado em ter BONS professores - e acredito que não será esta avaliação que vai resolver esta situação...
    Beijinhos, amiga...

    ResponderEliminar
  22. PENA:
    Obrigada pelas suas sentidas palavras.
    Eu defendo a Avaliação, mas não qualquer modelo.
    Há uma séries de questões que se põem:
    Quem avalia?
    Que indicadores?
    Como se avalia?
    Etc,etc,etc...

    Eu não li nenhum documento acerca da avaliação agora proposta, portanto não me posso pronunciar.
    Mas como, desgraçadamente, em Portugal a emenda é sempre pior que o soneto...tenho alguma apreensão acerca da sua aplicação.

    Um grande abraço, meu caríssimo amigo!

    ResponderEliminar
  23. ELVIRA CARVALHO:
    A minha querida amiga é um doce, só que eu já tentei fazer isso edá-me erro não sei porquê. De qualquer modo, tenterei de novo!

    Pois, estamos de acordo: avaliação sim, mas feita com rigor , cuidado e justiça!!

    Novamente, lhe agradeço a simpática e generosa informação!
    Bem haja!!

    ResponderEliminar
  24. ANTÓNIO DE ALMEIDA:
    Agradeço ter vindo deixar o seu pensamento sobre este tema tão importante.

    No geral , estamos em sintonia.
    Também não concordo com este percurso linear da população estudantil.
    Como também discordo de se ter acabado com as Escolas Industriais, por exemplo.Entre outras coisas.Mas enfim...

    Parece-me, no entanto, que a actuação governamental ( qualquer que seja a cor) quanto à avaliação se ficará só pelo aspecto negativo e, claro, com muito risco de cometer vastas injustiças!

    Estou preocupada!

    Fique bem!

    ResponderEliminar
  25. MIMO-TE:
    Estou desejando isso mesmo, isto é, que os poderes não encarem a avaliação como algo punitivo , mas sim como uma ferramenta para premiar quem merece, chamar a atenção de quem é docente só de nome e, desta forma, melhorar a qualidade do sistema.

    "bejinhos"

    ResponderEliminar
  26. Prefiro uma injustiça a uma desordem (a historia dos 14s)
    Mas continuo a achar que não pode haver educação escolar onde não há discrição, e ela há e de que maneira, em todos os sentidos. Portanto o que todos os governos fazem é atirar-nos areia para os olhos, e que o proximo feche a porta.
    Coitados é dos alunos. Já agora, e uma grevezinha valente n resolveria??

    ResponderEliminar
  27. AMIGONA AVÓ E NETA PRINCESA:
    Oh, minha querida, se calhar não fui bem clara: peço desculpa por isso.

    Eu não declarei o meu apoio a este modelo de avaliação!Com o que concordo é que a classe docente deve ser avaliada!

    Mas, um grande MAS, a avaliação a ser implantada deve ser baseada em indicadores a discutir, tal como quem vai avaliar e de que maneira.

    Como disse aí atrás, repudio inteiramente que o Poder (seja qual for o partido que o sustenta)
    utilize a avaliação como arma de arremesso contra profissionais na sua maioria responsáveis e empenhados.

    Avaliar implica , digamos as coisas pelo nome, premiar os bons e castigar os maus!

    O meu enorme receio, conhecendo bem como Portugal funciona e com essa tua experiência que generosamente partilhaste ( e, se te não importas, também com a minha), é simplesmente que o Governo utilize só para excluir ...e nada mais!!

    Agradeço muito a tua vinda e importante testemunho!

    Quanto á Formação, diz . Mas eu estarei ocupada com oCírculo de Estudos do Barreiro atá meados de Março. A partir daí...

    Bem hajas!

    ResponderEliminar
  28. GILBERTO LUÍS:
    Desculpe, meu caro ( minha cara) duas questões:
    - Já foi prejudicado irremediavelmente na sua profissão por injustiça?
    Se foi, não creio que ficasse feliz com o facto; se não foi, talvez seja conveniente não defender tal hipótese.
    - Não acha um pouco egoísta não permitir às outras pessoas o gosto de aceder ao seu espaço e assim conhecer( e poder comentar) os seus pensamentos? É que eu acho, sabe?

    Quanto aos alunos e alunas concordo: têm sofrido grandes prejuízos com pseudo-reformas consecutivas.

    Relativamente a greves, tem alguma coisa contra?
    Eu não tenho. Mas , tal como com a Avaliação ( e com tudo, afinal) , deverá ser realizada com objectividade, justiça e rigor.

    Boa tarde!

    ResponderEliminar
  29. Acho que sim ... que deve haver a tal avaliação ...

    pois como dizes, o esforço de cada um não é igual ...

    quanto às perguntas que colocas ... duvido que se atingam esses objectivos, o que é pena ...

    ___________

    amiga,
    gostaria de te pedir que passasses pelo meu sítio, para veres o meus post de hoje.


    obrigada e beijinhos

    ResponderEliminar
  30. Cá estou pra te deixar um beijo e votos de boa semana! Andei meio "ausente" mas já retornando.

    Fica bem

    ResponderEliminar
  31. Querida São, não conheço o sistema educacional do seu país. Contudo, confio no seu bom senso e, se assim o escreve, tem o meu apoio.
    Beijos!

    ResponderEliminar
  32. ISABEL F:
    As coisas devem ser feitas responsavelmente, o que é raro por cá.

    Já lá fui: parabéns pela divulgação de

    http://sidadania.blogspot.com/

    Já está nas minhas Netamizades e já coloquei , na lateral direita, a Picada de Escorpião. Se houver algum inconveniente basta que me informes e eu retiro!

    Bem hajas!

    ResponderEliminar
  33. MENINA DO RIO:
    Se estás retornando, espero ver-te aqui bastantes vezes...Beijinhos!

    ResponderEliminar
  34. OLIVER P:
    Agradeço confiar em meu bom senso e farei tudo para nunca o defraudar, caro amigo do outro lado do oceano!
    Bem haja!!

    ResponderEliminar
  35. Sim e como temos que reflectir!....
    Que todos reflictam da melhor forma e justamente!
    Jinhos

    ResponderEliminar
  36. CLARINDA GALANTE:
    Pois , temos mesmo de reflectir!

    Agradeço a vinda, mas ficaria ainda mais grata se o seu espaço esivesse disponível como o meu está e assim eu pudesse acder áquilo que pensa e, consequentemente, comentar.!!

    Boa tarde!

    ResponderEliminar
  37. Parabéns pelo seu espaço.Útil, agradável e informativo.
    Concordo com a sua opinião sobre as avaliações dos professores.

    ResponderEliminar
  38. Olá São

    Todas as tuas perguntas são pertinentes e deveriam ter respostas clarissimas,mas infelizmente como todos sabemos não vai acontecer.

    Joy

    ResponderEliminar
  39. ABEL MARQUES:
    Bem vindo!
    Agradeço a visita e a gentileza das palavras.
    Espero o seu regresso.

    ResponderEliminar
  40. Oi São,

    Tudo bem quanto ao que me perguntas ... mas há um pequeno pormenor ... enviei-te um mail...


    beijinhos e obrigada pela tua disponibilidade sempre presente

    ResponderEliminar
  41. JOY:
    Olá, amigo!
    Pois, tens razão. Por isso, é que muitas dúvidas e receios esta Avaliação levanta!!
    Abraços.

    ResponderEliminar
  42. Obrigado pela visita ao "Sidadania" e por o ter colocado nos links.A imagem do escorpião é publica e tem como missão alertar para os perigos da SIDA, use e abuse.
    Quando fizer um post sobre a pandemia diga-me para colocar o seu blog em rede.
    Ainda não naveguei o suficiente no seu blog,mas uma das preocupações parece-me ser a Educação.A vertente da Educação sexual,é uma das minhas lutas também.Defendo que a informação sobre SIDA deveria começar nas escolas em crianças antes de começarem a sua vida sexual activa. Alertar é preciso. Um abraço e obrigado.

    ResponderEliminar
  43. ISABEL F:
    Já respondi ao teu e-mail e fiz as alterações!
    "Bejinhos", linda!

    ResponderEliminar
  44. SIDADANIA:
    Nada a agradecer!
    Sou suspeita, mas considero que a base de tudo é a Educação!
    Embora reconheça que não é, nem de longe, a panaceia universal : obrigatoriamente , devemos contar com as características pessoais de cada ser humano( que é único e irrepetível).
    Espero encontrá-lo por aqui muitas vezes!
    Fique bem!

    ResponderEliminar
  45. São,
    Não venho própriamente comentar o texto. Venho sim agradecer-te a visita a meu blog e, principalmente, dar-te os parabéns pelo teu. É um blog cheio de temas/assuntos que interessa a qualquer um e por isso o prazer da visita. Conta comigo.
    Sérgio

    ResponderEliminar
  46. A tua reflexão e as questões que pões são justíssimas. É bom que a exigência venha de ambas as partes.
    É preciso fazer alguma coisa para que o estado da Educação mude. Mas não vale só exigir dos professores.
    Um beijo São. Obrigada pelas tuas visitas.

    ResponderEliminar
  47. Nem que eu quisesse não conseguiria opinar sobre esta avaliação pelo simples fato de sequer entender o critério de colocação de professores em Portugal. Há, em uma mesma aldeia, vizinhas professoras formadas no mesmo ano. A uma sai colocação sempre, a outra não. Nem que fosse no extremo de Portugal, ela iria. Mas não sai nada. E concorre, e mete papéis e eu só a ver e a não entender nada.

    FACILITEM A VIDA DOS PROFESSORES, Ó PORAMORDEDEUS!!

    ResponderEliminar
  48. O problema das avaliações residem sempre nos critérios e na idoneidade de quem avalia. Depois, porque a perfeição não existe, como se pode contestar e quem aprecia essa contestação? Em toda a função pública, não é só no ensino, isso é uma preocupação real, porque sabemos todos demasiado bem como é que as coisas funcionam, e quais as instruções que recebem muitos dos que são avaliadores.
    Hoje fui ver as flores (demoram muito a carregar), e até as faz-de-conta lá encontrei, no meio das reais e com muito boa qualidade. Com este já é o 3º álbum que vejo, faltam dois.
    Abraço do Zé, ainda muito ocupado, mas com uma aberta para o que vale a pena.

    ResponderEliminar
  49. SOU O SÉRGIO FIGUEIREDO:
    Obrigada...e, assim sendo, espero o teu regresso repetido!
    Boa noite.

    ResponderEliminar
  50. GRAÇA PIRES:
    Sim , só pode exigir quem cumpre as suas obrigações.
    Deixemo-nos de sofismas.
    Não tens nada a agradecer, mas a melhor maneira - se o quiseres fazer- é dares-me o gosto da tua presença nesta tua casa!
    Fica bem!

    ResponderEliminar
  51. PITANGA:
    Pois nessas cenas surrealistas , cujos critérios ninguém percebe, é tomam raízes os medos acerca das avaliações e afins!!

    Beijos, amiga!

    ResponderEliminar
  52. ZÉ POVINHO:
    Fico deveras contente com a sua ida a ouro cru: muito obrigada!!

    Aquilo que está por detrás de tudo quanto acontece na Função Pública ( ainda por cima escolhida como bode expiatório!!)tem muito da cor política de quem está no poder, como sabemos!
    Abraços.

    ResponderEliminar
  53. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  54. olá são
    eu como professora só me ocorre uma metáfora: querem vstir uma roupa nova num corpo que não toma banha há muitos anos... o cheiro, consequentemente, não irá desaparecer.
    país que não cuida do seu sitema de saúde e do seu sitema educativo, não é país, é um bocado de terra onde vivem akguns e que por acaso até tem um nome.
    é muito triste.

    ResponderEliminar
  55. Querida se quiseres conhecer a história da Fló passa por lá...beijo...

    ResponderEliminar
  56. SÃO
    São muitas as reflexões e pouca a caridade do governo para encontrar solução para elas.
    Um post excelente para quem quiser ler a mensagem.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  57. questões muito bem colocadas. como é de esperar. aqui. sempre.

    ResponderEliminar
  58. CASSAMIA:

    Bem vinda, pela primeira vez.
    Concordo com essa do bocado de terra!
    Espero o seu regresso.

    ResponderEliminar
  59. AMIGONA:
    Já tive o imenso gosto de ir conhecer a Fló e ver a tua neta!
    Abraço as três!!

    ResponderEliminar
  60. SILÊNCIO CULPADO:
    Minha querida, agradeço as tuas palavras .
    Espero que os piores receios se não concretizem.
    Contigo espero que tudo corra como desejas!
    Abraço-te!

    ResponderEliminar
  61. HERÉTICO:
    Sinceramente, obrigada!
    Tudo de bom.

    ResponderEliminar
  62. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  63. São

    Gostaria de me pronunciar sobre este tema mas não o farei porque não devo falar do que desconheço.
    A única coisa que poderei dizer é que as condições contratuais no nosso país estão cada vez piores e até os benefícios que se ganharam depois do 25 de Abril se estão a perder.
    Uma noite serena
    José Gonçalves

    ResponderEliminar
  64. É minha amiga, problemas que precisam de respostas. Mas é preciso também qualificação.
    Beijos

    ResponderEliminar
  65. São,
    escreves a um ritmo alucinante para mim. Só hoje estou a rever alguns posts teus para tràs.Este sobre a avaliação dos docentes é bastante pertinente e interessante,já que pões bem o dedo em todas as feridas. Realmente em primeiro lugar convinha dignificar a classe e introduzir organização e disciplina no nosso panorama educativo, cada vez mais decadente.
    Sem condições de trabalho e sem apoio pedagógico é impossível avaliar capazmente professores tão desmoralizados pelas sucessivas políticas educativas.
    Tudo de bom.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  66. JOSÉ GONÇALVES:
    Infelizmente assim é: parece que estamos perdendo (quase) tudo.
    Espero que não percamos a capacidade de protestar, pelo menos!
    Abraço, amigo!

    ResponderEliminar
  67. OLHOS DE MEL:
    Linda, é mesmo : deverá haver equilíbrio...e é issp que falha, acho!

    Beijo-te!

    ResponderEliminar
  68. BRANCAMAR:
    Amiga, as coisas ainda piorarão mais com a aplicação da Lei de Ensino Especial até 2009!!
    Começa-se sempre tudo sem preparar as bases e sem ouvir quem está em campo, isto é, os/as profissionais.
    Grande abraço.

    ResponderEliminar

"BENVEGUT AQUÈL QUE NOS VEN MANS DEBÈRTAS"
(Saudação Cátara)

Arquivo do blogue