segunda-feira, junho 08, 2020

"A GUERRA DOS POBRES " - ÉRIC VUILLARD

 " A Guerra dos Pobres" é um pequeno livro (71 páginas, apenas) de Éric Vuillard (Prémio Goncourt  2017 ) , cujo tema é o das revoltas dos miseráveis contra os privilégios dos poderosos senhores da nobreza e da Igreja.

Relembra alguns dos desesperados que acabaram por pagar   muito alto  -  a maior parte das vezes com a vida - a defesa  de melhores condições de existência para quem era explorado e humilhado em nome de Deus : John Wyclif, John Ball, Wat Tyler, Jack Cade, Jan Hus.

Porém , é sobre Thomas Muntzer que coloca o foco, pelas próprias características do teólogo .

Na sua versão radical do cristianismo, Muntzer quer renovar a religião no seu âmago, seguir à letra os ensinamentos do Mestre, extirpar a Igreja da hipocrisia  e do luxo.

Obviamente,  esta luta , que congregou milhares de pessoas , iria acabar em tragédia .Porque os príncipes laicos e religiosos , unidos e cúmplices , jamais iriam permitir  que lhe retirassem uma parcela, mínima que fosse, do seu poder.

Segundo Filipe, landgrave de Hesse, na batalha final  " massacrámos todos os que nos caíam nas mãos...saqueámos a cidade e... com a ajuda de Deus , obtivemos ... o triunfo." Este triunfo saldou-se em quatro mil mortes e na tortura e decapitação de Thomas Muntzer, aos trinta e cinco anos. A cabeça foi empalada e o corpo lançado aos cães -  num excelente exemplo de negação da caridade cristã.


Excertos:

> "Tinham dificuldade em perceber porque é que Deus, o deus dos mendigos, crucificado entre dois ladrões, tinha necessidade de tanto esplendor, porque é que os seus ministros precisavam de tamanho luxo ... Porque é que dizia ser necessário deixar tudo, falando através da boca daqueles que de tudo se tinham apropriado?"

> " O papa apela à cruzada ... e Jan Hus ... prega a desobediência, prega o amor, a oração, mesmo para os inimigos de Cristo ... Será herético? ... Sim ... De imediato, convocam-no para Constância, e depois aprisionam-no, julgam-no e queimam-no."

18 comentários:

  1. Pela resenha, acredito que seja um livro muito sedutor de ler.
    .
    Cumprimentos poéticos
    Uma semana feliz

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vale a leitura, até porque destes nomes nenhum aparece destacadamente nos livros da História que nos ensinam...

      Saudações e boa semana

      Eliminar
  2. En nombre de Dios se ha matado a millones de personas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Náo consigo perceber que espécie de deus tem esta gente na cabeça....

      Fica bem, amigo mio

      Eliminar
  3. Uma leitura que não quero perder...
    A Igreja tem na sua história páginas demasiado terríveis manchadas de sangue que culminaram no escuro tempo da Inquisição...
    Boa semana São.
    Tudo pelo melhor.
    ~~~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O pior é que a Inquisição ainda funciona e embora já não destrua fisicamente corpos destrói vidas....

      Náo gosto de Igrejas.

      Tudo de bom e boa semana :)

      Eliminar
  4. São, minha amiga, o Prémio Goncourt ainda faz jus a obras muito boas. Não li, mas sei que gostarei de ler.
    Que se espera os príncipes?

    Beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Dos principes só se espera mal, infelizmente.

      O que é imperdoável, particularmente quando falam em nome da divindade!!

      Penso que te agradrá, sim


      Beijinhos, linda, boa semana

      Eliminar
  5. Registo a sugestão com todo o agrado.

    ResponderEliminar
  6. Quando trabalhei na Editora Plaza & Janés, tinhamos as obras dos grandes prémios literários, e, obviamente, os Goncourt. Para os grandes amantes da leitura eram os elegidos.
    Este autor não o conheço, mas se o mencionas tem que ser bom.
    Feliz dia da Raça.
    Besitos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também só li este livro dele e escolhi-o exactamente por ter sido premiado como foi.

      A escrita não é propriamente a que se espera de um livro sobre um facto histórico, mas agradou-me.

      Bons feriados.

      Te abraço, amigo mio

      Eliminar
  7. Querida São

    Um tema que muito me interessa. Poder Espiritual vs. Poder Temporal,
    tão impressivo na Idade Média e que se estendeu pelo tempo fora.

    Guerras, torturas em nome de Deus! É preciso não esquecer as lições
    da História.

    Por isso mesmo, considero muito importante esse livro
    e o tê-lo trazido ao nosso conhecimento.

    Beijo

    Olinda

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Minha amiga, o poder religioso sempre se alicerçou no facto de mexer com o emotivo e o irracional , o que lhe deu imenso poder até hoje.

      Infelizmente a maioria das pessoas não usa reflectir sobre as coisas assim veria a semelhança das religiões .

      Beijinho e bom feriado.

      Eliminar
  8. Deve ser um livro interessante.
    São, continuação de boa semana.
    Beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É, porque nos revela nomes que nunca (ou muito pouco) são lembrados nos livros da História que nos ensinam.

      Bom feriado. Beijos

      Eliminar

"BENVEGUT AQUÈL QUE NOS VEN MANS DEBÈRTAS"
(Saudação Cátara)

Arquivo do blogue