quarta-feira, dezembro 02, 2009

EXPULSÃO DOS MOUROS IBÉRICOS


Acabei de ler o livro do advogado catalão Ildefonso Falcones: " La mano de Fátima", versando a expulsão dos mouros de Espanha em 1609.

Após a entrega pacífica de Granada aos Reis Católicos e sem respeito pelas garantias dadas acerca da liberdade e segurança da população árabe, começou esta a ser alvo de todo o género de perseguições tanto religiosas como civis.

Carlos V, por exemplo, construiu em plena Alhambra um monumento ao orgulho da Casa da Austria e edificou-o exclusivamente com os impostos lançados sobre os mouros.

A magnífica mesquita de Córdoba foi sistematicamente destroçada, construindo-se no seu centro uma igreja cristã.

Tanto num caso como noutro, ainda hoje aflige ver o contraste vincadíssimo entre a sobriedade e a elegância da arquitectura árabe e o  pesadíssimo estilo cristão.

Enquanto os espaços mouros são interiores , voltados sobre si mesmos, os cristãos ferem com uma inaudita exuberância de ornamentos e excedem-se em fausto e pompa.

Como os mouros se viram indefesos face aos abusos praticados e aos excessos de todo o tipo, acabaram por se lançar numa rebelião intensa que degenerou na sangrenta revolta das Alpujarras.

É desta tragédia e das suas amargas e terríveis consequências para a população moura que Falcones nos traz notícias cruéis e desconhecidas para a maior parte de nós.

Porque considero  indispensável o conhecimento da História para que possamos compreender o presente e  não se repitam erros passados, recomendo vivamente a leitura deste fascinante romance histórico.

E também para que os omnipresentes judeus não monopolizem - como continuam fazendo - o sofrimento e a perseguição , tentando assim justificar o bárbaro e perverso comportamento que têm vindo a exercer sobre os palestinianos.

Espero sinceramente ter despertado a vossa curiosidade , pois vale realmente a pena a leitura desta obra magnífica.


44 comentários:

  1. Também recomendo.
    Fiquei a saber que um responsável da Igreja Católica Apostólica Romana os queria castrar a todos e que havia quem defendesse que os levassem em barcos e os afundassem no alto mar.

    Mas como esta igreja ainda ter seguidores????

    LUIZ

    ResponderEliminar
  2. Obrigado pela sugestão...
    Em nome de Deus cometem-se atrocidades enormes!

    Beijo de ateu!

    ResponderEliminar
  3. Mas se Cristo tivesse a peregrina ideia de voltar e ir até ao Vaticano, pobrinho dele, seria empalado na coluna que se ergue no centro da Praça de S. Pedro pelo próprio pastor alemão e sequazes.

    Um abraço de crente, mas não nesse deus vingativo que nos continuam impingindo.

    ResponderEliminar
  4. desconhecia este romance e mesmo o autor, fiquei curiosa... este ano li muito pouco, outros afazeres e preocupações!
    mas interessa-me saber estas coisas, vou procurar
    sou crente, sim, mas... há coisas, xará, que não "engulo" lá muito bem...
    beijinhos

    ResponderEliminar
  5. De fato, despertou a curiosidade. Concordo com você, é indispensável o conhecimento da História, para que não se repitam os erros. Mas não apenas da história escrita pelos vencedores, e sim, também, daquela escrita pelos derrotados. Esta, talvez, mais real.

    ResponderEliminar
  6. O conhecimento da História nem sempre nos deixa satisfeitos, porque os actos nem sempre confirmaram as promessas nem a Justiça prevaleceu.
    Hoje criticamos muita coisa que praticámos no passado, e embora o tempo tenha passado, não temos uma bitola de tolerância condizente com a nossa História.
    Abraço do Zé

    ResponderEliminar
  7. A Península Ibérica foi alvo de invasões sucessivas.
    Os mouros também devem ter chacinado muita gente para se acomodarem no pedaço...
    Mas ficaram os genes dos expulsos e/ou exterminados. Um terço dos nossos genes, por exemplo, é árabe/mouro.
    Agora as invasões são pacíficas. Até ver...
    Vou tentar encontrar o livro. Obrigado pela partilha da tua opinião sobre o que leste.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  8. Linda, este é o segundo romance. O primeiro , que também me agradou muito, intitula-se "A Catedral do Mar".

    Eu sou crente, mas não pertenço a nenhuma religião instituicionalizada, porque sou um espirito demasiado livre para me enquadrar e há , como tu dizes, coisas que não engulo de todo.

    Um abraço, xará!

    ResponderEliminar
  9. Caro PENSADOR, sim, a História costuma ser escrita pelos vencedores, pelos colonizadores, pelos conquistadores...é indispensável conhecer a versão histórica de quem sucumbiu.

    Um abraço.

    ResponderEliminar
  10. Caro ZÈ POVINHO, concordo com essa sua análise.
    Porém ou até por isso devemos saber o que se passou e, ainda mais, estarmos atentos À voz de quem pereceu sob o poder de quem venceu.

    Fique bem.

    ResponderEliminar
  11. Caro NILSON, claro que todos os invasores entraram a ferro e fogo.

    Mas , neste caso, há - para mim - duas diferenças essenciais: uma distância de muitos séculos entre os dois acontecimentos e uma religião que se auto-intitula com seguidora de um exemplo de misericórdia .

    Mesmo os revoltados de Alpujarras cometeram atrocidades, só que - como disse um nobre espanhol da época - o levantamento deveu-se à maneira como eram tratados pelos cristãos.

    Se leres, diz-me depois o que achaste, sim?

    Fica bem.

    ResponderEliminar
  12. Mais as crianças separadas à força de seus pais e mães e entregues a famílias cristãs para serem educadas sob os preceitos católicos e que acabaram escravizadas ou vendidas.

    Aliás, Franco fez exactamente o mesmo Às crianças filhas de famílias republicanas!

    E a Igreja Católica deu - como dá sempre - o seu beneplácito a todas as perversões e crueldades de quem detèm o poder!!

    De facto, como é possível que haja gente a seguir uma Igreja cheia de pecados de todo o género?!

    Fica bem, LUIZ

    ResponderEliminar
  13. La expulsión de los musulmanes de la Península fue una consecuencia de la estructuración de los estados modernos europeos. Hoy hay que mirar hacia adelante, hacia la multiculturariedad y la tolerancia.
    Besos, querida amiga.

    ResponderEliminar
  14. Tienes razón, sí!

    Mas , lamentavelmente, estão aí sinais bem evidentes de xenofobia e de rensacimento de conceitos malfazejos.

    A Itália de Berlusconi é um bom exemplo disso.

    Um óptimo dia para ti, Amigo!

    ResponderEliminar
  15. Amiga mia
    A expulsão dos Árabes de Espanha depois de ter convivido oitocentos anos na Península Ibérica, a demais de sua rica arquitetura e parte de nosso idiomas e costumes, deixaram algo bem mais importante, sua genética.
    A mistura de Judeus, Árabes e “Iberos” deu lugar a esta cultura que hoje temos, a nossa forma de ser. Durante muitos anos pensaram que Europa acabava nos Pirineos quando é sabido que a Iberia sempre foi parte integrante de Europa. Se nossa cultura nos para diferentes foi pelos assentamentos que e misturas de povos que aqui se assentaram, especialmente o povo Árabe que conviveu conosco oitocentos anos. Para os racistas que não se lhes esqueça que parte de sua genética prove do povo Árabe

    são, que passes um bom fim de semana, em Espanha o dia 6 celebramos a Festa da Constituição


    Beijinhos estimada

    ResponderEliminar
  16. Estimado Amic, acreditas que um dia destes li num comentário , uma crítica feroz ao post porque lá estava um símbolo árabe? Pois, segundo o preconceituoso e ignorante comentarista , era inqualificavel aquela inclusão, porque nada temos a ver com árabes!!

    Sim, os genes estão todos caldeados nesta nossa Ibéria ...e ainda bem, porque nós propoeciona uma maior riqueza e diversidade.

    Querido Desi, um bom feriado para ti e para os teus.

    Petons.

    ResponderEliminar
  17. São,

    Pois vou juntar este livro aos dois que tenho que comprar pela net, que cá pela moirama - ainda ontem fui a 3 livrarias - há muita falta de "livros".
    E esta tua sugestão de leitura deixou-me muito curiosa.
    Embora esteja de acordo com o Zé, a História nem sempre nos dá grandes motivos de orgulho, não deixarei de ler.

    Beijinho para ti, minha amiga

    ResponderEliminar
  18. De facto, a História por vezes embaraça-nos. Principalmente , se lemos o lado de quem foi vencido.
    É o caso desta obra e de uma outra que acho imperdível: "As Cruzadas Vistas Pelos Árabes", de Amin Maalouf.

    Um grande abraço, zogia.

    ResponderEliminar
  19. Pois, é sempre bom ler-se sobre as razões "do outro lado"...

    Um abraço.

    ResponderEliminar
  20. Pode acreditar que me despertou curiosidade; procurarei o livro até porque sou um apaixonado por História.

    Posso inquirir sobre a saudação cátara que nos deixa?

    ResponderEliminar
  21. Bem vindo , JORGE.

    Também assim penso, pois senão conheceremos só a versão de quem obteve a vitória e o poder.

    E isso me recorda a figura de Leonor Teles, por exemplo.

    Um beijo.

    ResponderEliminar
  22. Aqui, meu caro FERREIRA_PINTO, pode inquirir tudo.

    Adoro História e sou apaixonada pelo tema cátaro.

    Aliás, os cátaros são um outro exemplo semelhante ao dos mouros.

    o Papa Inocêncio III lançou, no século XII, a primeira Cruzada contra irmãos na fé cristã.


    E assim o Languedoque foi anexado a França e nasceu a Inquisição, através do esmagamento crudelissimo de toda aquela sociedade e de uma maneira mais tolerante de viver - inclusivamente a fé.

    A tradução da saudação é: "Bemvindo aquele que nos vem de mãos abertas".

    Se ler o livro, gostaria de saber a sua opinião.

    Bom final de semana.

    ResponderEliminar
  23. Acho belíssima a arquitetura árabe, mesmo discordando de seus costumes e para o fim a que foram destinadas muitas construções.
    Já literatura, confesso que tenho fugido de tudo que tem cheiro de sabre, pólvora, espada, armsadura, canhão,cavalaria e similares.
    Alguns chamam de arte da guerra. Guerra para mim sempre será crueldade,ignorância e incapacidade humana elevada à máxima potência.
    Não consigo entender como escritores que descrevem cenas tão sangrentas conseguem dormir. Todavia, o exercicio do domínio sempre existiu, não é? Desde que lutaram por uma coxa de dinossauro do vizinho.
    Abração e bom final de semana.

    ResponderEliminar
  24. Bem vinda, linda!

    A guerra, a considero a prova provada da estupidez da humanidade, que ainda não conseguiu perceber que se guerreando os problemas se resolvessem...há séculos e séculos que se viveria sem conflitos de maior!!

    Não concordo com alguns costumes árabes como não concoerdo com algune costumes nossos.

    Quanto à arquitectura, acho-a perfeitamente extasiante. Entrar em Alhambra,nos palácios nazaris e na Mesquita de Córdoba é um deslumbramento.

    Não siginifica isso que na arquitectura cristã não haja monumentos dignos de admiração, claro.

    Estou-me lembrando , por exemplo, da Sainte Chapelle em Paris e dos seus magnificentes vitrais.

    Um grande abraço e bom fim de semana.

    ResponderEliminar
  25. Mais uma lição...
    Beijos.

    ResponderEliminar
  26. Importante conhecer os "porquês" e os "porque".

    Abraço e bom fim de semana, São

    ResponderEliminar
  27. Grata pela sugestão. Não conheço a mesquita de Córdova, embora tenha ouvido maravilhas. Conheço Alhambra.
    Quanto às perseguições dos Cristãos aos Mouros, em todas as épocas e em todas as religiões se cometeram e cometem as maiores barbaridades. A última agora na Igreja Católica é contra os homossexuais.
    Um abraço e bom fim de semana

    ResponderEliminar
  28. .__________querida São





    embora de férias:) mas como ainda não parti_______faço uma visitinha aos amigos:)

    ...

    eu também sou crente________mas não me deixo en.grupar!!!
    o meu espírito é completamente livre______um tanto selvagem

    .jamais puderia estar vinculada a qualquer religião.com a minha forma de pensar e ver (viver) e sentir.conhecer.não.fechar.os olhos à realidade que me rodeia


    {não tolero mesmo nada aquela do "padre Bonifácio": olhem para aquilo que eu digo - e não vejam aquilo que eu faço!}

    ...

    tenho a mesma opinião que a São _______sobre os judeus


    nada na história justifica_____o que fazem em nome de um deus


    não acredito nem um pouco num deus.vingativo.sangrento

    se.acaso fosse verdade_________o vaticano já tinha sido destruído por um raio.divino________com toda a certeza

    .e muitos mais raios teriam que cair em "outros lugares"


    _______isto falando muito simploriamente. claro está!!!:)




    ____________///




    (conheço muito bem Alhambra________deslumbrante! sou uma apaixonada por espanha)








    beijO________ternO

    ResponderEliminar
  29. Caríssima, suas opiniões e idéias me fazem pensar o quanto a história precisa sempre ser revista para que não se caia na armadilha do absolutismo das "verdades" estabelecidas...
    É preciso que se considere os outros olhares, aqueles que nem sempre foram ou são vistos pelos relatos instituídos e oficiais...ou que se considere sempre que a história possui muitos ângulos e pontos de vista distintos...na verdade, do ponto de vista das guerras, das bravatas e das batalhas o que conta mesmo são as vidas e o sofrimento das suas vítimas.
    Sua sugestão de leitura me deixou curiosa, no mínimo, parece instigante e questionadora.
    Aproveito para agradecer sua visita em meu blog...retorne, sempre será bem-vinda ...
    Grande abraço
    Genny Xavier

    ResponderEliminar
  30. Os tempos humanos são assim. E nada, absolutamente nada, mudou. Nós, por exemplo, achamos muito natural a carnificina ordenada e feita pelo prémio Nobel da Paz, o fofinho presidente Báráque, no Afeganistão. Até aplaudimos.

    Nunca estive na Nazaré mas existem por lá umas marcas que podem ser de ferradura. Conhecendo os portugueses deve haver uma capela por perto. Já não me lembro da lenda, acho que D. Fuas ia a caçar quando a Virgem lhe parou o cavalo. bfds

    ResponderEliminar
  31. Sempre, EUFRÀZIO, sempre!

    Um abraço, caro amigo.

    ResponderEliminar
  32. Que bom aqui te ver, linda!

    É mais informação, rrss

    Beijinhos, FILOXERA.

    ResponderEliminar
  33. Assim também o considero, para que se faça uma avaliação o mais justa possível.

    Um bom fim de semana, querida MAGYMAY!

    ResponderEliminar
  34. Amiga ELVIRA, se me der o gosto de ler e comentar o meu próximo post...

    A Inquisição queimava os homossexuais com lenha verde para que assim se dilatasse o tormento, agora a Igreja Católica não queima pessoas fisicamente porque não pode. Queima-as, porém, psicologicamente e estraga-lhes a vida sempre que possível


    A mesquita de Córdoba é , pode crer, um lugar de recolhimento que nos assombra pela grandeza e pela espirutualidade...até entrarmos na igreja católica, cujo excesso de ornamentos nos sufoca com tanta ostentação.

    Um bom fim de semana junto aos seus.

    ResponderEliminar
  35. Querida amiga, cada uma das palavras que aqui me deu o prazer de deixar poderia ter sido escrita por mim própria, pode crer.

    Bem haja, BETTY!!

    ResponderEliminar
  36. Obrigada por ter vindo , GENNY!

    Sempre considerei perigosas as verdades oficiais.

    Sempre achei redutores os circuitos puramente turísticos quando viajo.

    Sempre lutei para manter a minha liberdade de análise.

    Espero que volte sempre.

    Um excelente fim de semana.

    ResponderEliminar
  37. Meu caro TÀXI, Barak está metendo-se numa guerra semelhante à do Vietname de má memória.

    Tenho fotos recentes no blogue sobre a Nazaré.

    Fuas caçava naquele dia e começou perseguindo um veado, que - como era o Diabo - o levou até à beira da falésia. E foi já com a montada alçada nas patas traseira sobre o abismo que a Virgem o salvou.

    Porque motivo acabaram as aparições e os milagres, se isto está pior do que nunca, sabes?

    Um abraço.

    ResponderEliminar
  38. São,

    Mesmo sem post novo, passei para te desejar um óptimo fim de semana.

    Beijo

    ResponderEliminar
  39. As barbaridades que se fizeram em nome de um deus...
    Fiquei curiosa com o livro. Obrigada.
    Um beijo, Saõ e bom fim de semana.

    ResponderEliminar
  40. Obrigada, MeG...Também par ti, mas olha que o post novo é daqui a duas horas, rrss

    Beijinhooos.

    ResponderEliminar
  41. É tal como dizes e , pior, continua-se na mesma!!

    Bom fim de semana, GRAÇA.

    ResponderEliminar
  42. Vivem dizendo que a reconquista durou 800 anos. Não é verdade, pois as batalhas duraram até 1249. Por via diplomatica o reino de Granada durou até um pouco antes de 1500, era uma região 3 vezes maior que o libano atual onde os descendentes dos mulçumanos ainda tinham um pedaço de terra que podiam chamar de pais. Até os reis catolicos acabarem com aquela paz de mais de 200 anos. Realmente era o mesmo se os indigenas americanos pudessem se livrar de nós nas americas. As americas foram invadidas a 500 anos, tempo igual a reconquista ate 1249.

    ResponderEliminar
  43. Estava numa epoca em que ainda havia um grande poderio islamico representado pelo imperio turco na epoca. Grandes porções da europa estava em poder deles. É logico que esta população mourisca mesmo convertida ao cristianismo era muito suspeita. A Espanha teria sido reconquistada pelos islamicos ou perderia parte de seu territorio que estaria até hoje no mapa como estado islamico e todos já teria se acostumado com isso. Porem seria uma porta aberta de entrada de terrorista na europa. Temos que deixar nossos preconceitos de lado e imaginar o que acontecia aos cristãos sob dominio islamico. Veja siria e iraque onde eles estão matando sua propria gente, imagine se fossemos nos no lugar.

    ResponderEliminar

"BENVEGUT AQUÈL QUE NOS VEN MANS DEBÈRTAS"
(Saudação Cátara)

Arquivo do blogue