segunda-feira, fevereiro 29, 2016

POESIA - SOL DA ESTEVA




Aqui,
A porta de onde saí
Para a rua vazia de mim e de ti,
Aqui,...
Aonde o peito estala de Amor.
Aqui... 

Sei-te, nos fundos,
Pensando-me de longe...
Bem longe da porta da rua
Por onde saí.

Aqui me fico,
Dentro do teu peito,
À porta tua,
Na porta da rua.


SOL DA ESTEVA 
( 13/2/2016)

28 comentários:

  1. Aqui me fico,
    Dentro do teu peito,
    À porta tua,
    Na porta da rua.

    Belo...belo poema... me emocionou...

    Beijos e uma semana de paz, querida São...

    ResponderEliminar
  2. Minha querida, ainda bem que partilhamos a mesma emoção...

    Forte abraço e feliz Março !

    ResponderEliminar
  3. Muito bonito, sou um fã das palavras do "Sol"

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Somos já dois, Rui :)

      Tudo de bom

      Eliminar
  4. Um belo poema, gostei.
    Um abraço e continuação de uma boa semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fico contente por ter gostado.

      Feliz Março :)

      Eliminar
  5. Que belo poema! E por aqui me fiquei a relê-lo...
    Parabéns ao poeta! Gostei muito.
    Obrigada pela partilha, São.
    xx

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Agradeço em meu nome e no poeta!

      Bem haja, Laura

      Eliminar
  6. Acabo de chegar e ficar surpreso, sensibilizado, grato... pela partilha que hás feito.
    É delicioso (além de precioso) saber que com quem compartilhaste, se manifestou desta forma benevolente.
    Obrigado São; obrigado a quem se manifestou.


    Beijos
    SOL

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nada a agradecer, meu amigo!

      Não te pedi licença, porque o blogue é público e te quis fazer surpresa :)

      Abraços

      Eliminar
  7. Um poema muito interessante, São. Obrigada pela divulgação.
    (Adoro o título).

    Beijinho doce.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também gosto imenso dele :)

      Grande abraço, linda

      Eliminar
  8. Mi muy querida amiga Sao.

    Bello poema que termina en la más sobresaliente de las puertas : la puerta principal.

    Fuerte abrazo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querido amigo mio, bievenido!

      Sim, essa é a mais importante das portas.

      Estimado Ricardo, abraço de vida

      Eliminar
  9. Um excelente poema que li e reli. Adorei. Não conheço o poeta.
    Obrigado pela partilha amiga.
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vá até ao seu blogue , que vale a pena conhecer.

      Bom fim de dia :)

      Eliminar
  10. A alma do poeta será uma porta aberta ao amor.
    Será uma porta da rua por onde entramos ou ficamos de olhar preso à saudade.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Luís , não consigo entrar no seu blogue...vou parar a outros, que desconheço.

      Gosto da sua abordagem ao poema...

      Tudo de bom

      Eliminar
  11. Belíssimo poema.
    Grande sensibilidade.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Além deste, tem outros belos poemas.

      Eliminar
    2. Fica a referência para eu procurar.
      Bfds

      Eliminar
    3. DEpois me dirá. Bom fim de semana

      Eliminar
  12. Uma belíssima escolha!
    Uma porta aberta ou fechado...facilita o nosso lado poético!
    Gosto da simplicidade e da mensagem das palavras...boa noite São

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. grato abraço pelo apreço e bom fim de semana, amiga

      Eliminar
  13. Lindo gesto, amiga São. O nosso amigo merece!
    :) :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Beijinhos, muitos, minha linda :)

      Eliminar
  14. Gostei muito do poema. Obrigada por partilhares, São.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que bom teres gostado.

      Que o lançamento do teu livro seja tal como sonhas, Gracinha.

      Abraço doce :)

      Eliminar

"BENVEGUT AQUÈL QUE NOS VEN MANS DEBÈRTAS"
(Saudação Cátara)

Arquivo do blogue