sábado, novembro 25, 2017

25 DE NOVEMBRO DE 1967 - 25 DE NOVEMBRO DE 2017

Cinquenta anos  perfeitos hoje sobre a segunda maior tragédia colectiva portuguesa : as inundações da área de Lisboa na noite de 25/11/1967. Só suplantada pelo terrível terramoto de 1/11/1755, que destruiu Lisboa e cuja origem o padre italiano Gabriel Malagrida atribuía a puro e simples castigo divino.


O ditador Salazar ocultou  e abafou a verdadeira dimensão da catástrofe , só permitindo notícias muito  censuradas e escamoteando os factos mais duros e pesados. Tanto que tudo parecia resumir-se  a poucas pessoas afogadas e à morte dos cavalos do cavaleiro tauromáquico José Mestre Baptista.

O cinismo e a crueldade do regime ficaram  ainda mais à vista quando as caridosas criaturas do Movimento Nacional Feminino foram entregar uma lata de sardinhas para uma família de seis ou sete pessoas e um senhorio se deslocou até ao lugar dum casinhoto já inexistente para cobrar a renda acompanhado pela autoridade.

O trabalho mais profundo e doloroso foi efectuado por jovens estudantes da Universidade , crescendo assim muito a consciencialização política que desembocou no libertador 25 de Abril de 1974.

Paz  a todas as vítimas !



23 comentários:

  1. ¡Paz y memoria!
    Un beso, querida amiga.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Memória, sim, para que a História se não repita!

      Fuerte abrazo , amigo mio

      Eliminar
  2. Amén.
    Eu trabalhava no Laboratório Sanitas, em Lisboa, e vivia em Monsanto em casa de uns tios, que ele era guarda florestal. No trabalho tinha várias colegas a residir em Odivelas que perderam tudo com essas inundações.
    Um abraço e bom fim de semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Só quem conheceu as pessoas que viveram o drama tiveram um conhecimento mais aprofundado da terrível tragédia acontecida , a população em geral ficou desconhecedora do drama...

      Abraço e feliz domingo, amiga

      Eliminar
  3. Ainda bem que podemos abordar o assunto!
    e PAZ a todas elas!!!
    Bom domingo amiga

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, nem que só por isso valeu o 25 de Abril 1974|

      Beijinho e bom domingo, amiga minha

      Eliminar
  4. Um outro desastre grande
    25 de Novembro de 1975
    (não constam muitas mortes
    mas sobrevivem zumbis)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Porém, desse podemos falar desde sempre... e , sim, existem muitos fantasmas por aí,


      Feliz Dezembro

      Eliminar
  5. Foi mau de mais, São! Toda aquela zona de Sacavém, Loures, o Bairro Padre Cruz, a área que vai de Queluz para a Cruz Quebrada, os "casinhotos" onde (sobre)viviam as famílias todos levados pelos deslizamentos das terras... Uma tragédia vivida à boca calada.

    E ainda há quem diga que «devia vir um outro Salazar» para pôr tudo na ordem... Raios que os partam!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que quer Salazar de novo deveria ir jazer para as masmorras do Forte e S. Filipe na Terveira ou para o campo de concentração do Tarrafalde Santiago.(Cabo Verde).

      Da verdadeira dimensão da tragédia, pessoalemnte só soube muitissimo mais tarde e pormenores ainda mais tarde, por conhecer uma senhora vítima daquela terrível catástrofe!

      Eliminar
    2. ERRATA:

      _ Quem

      -Forte de S. Filipe na Terceira

      - Tarrafal de Santiago

      _ Pessoalmente

      Eliminar
  6. Olá, São

    Cataclismo que fez muitas vítimas e deixou muitas famílias sobreviventes no meio da maior desgraça. A lembrança desse dia é fundamental para que se veja que no nosso presente as tomadas de decisão e estratégias terão de fazer a diferença.

    Bom fim-de-semana, São.

    Bj

    Olinda

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Viva, Olinda !

      Sim, a prevenção é sempre a medida mais adequada em todos os campos. E deve ser seguida quer por quem está no POder quer pelas próprias pessoas-

      Bom Dezembro , abraços

      Eliminar
  7. Oi, São!
    Um tio avó que era médico contava que tratou muita gente vinda da zona de Loures e que alguns países fizeram donativos de vacinas contra a febre tifóide. Ele contava também que foi uma catástrofe! Nunca choveu tanto!!
    Paz a todas as vítimas!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bem vinda!

      Catástrofe terrível e silenciada pela ditadura, de que a maior parte de nós só soubemos a extensão após 25 de Abril de 1974!!

      Abraço de matar saudadesssss

      Eliminar
  8. estivemos lá, não esquecemos!

    beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acredito plenamente !
      Bom fim de semana

      Eliminar
  9. Tinha três anos na época.
    Não tenho memória nenhuma.
    Boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu tinha dezoito recentes e lembro-me perfeitamente porque é o dia de anos de um tio meu e quando ele saiu da nossa casa se comentou o quão carregado estava o céu...

      Feliz fim de semana, Pedro

      Eliminar
  10. Lembro-me bem do que aconteceu, São. Até nos custava a acreditar que as pessoas viviam em tão más condições...
    Que descansem em paz, sim.
    Um grande beijo.

    ResponderEliminar
  11. Mi querida amiga Sao.

    Luego de visitar a Lisboa hace unos años le conté a la alcaldesa de una ciudad colombiana situada al lado del mar que sufre de algo llamado "arrollos" que provocan grandes inundaciones, mi experiencia cuando vi esos canales que tan majestuosa ciudad ha construido, me imagino a raíz de la tragedia de 1967.

    Excelente escrito.

    Un gran abarzo!!!

    ResponderEliminar
  12. muitos de nós, estivemos lá!

    olhamos, vimos e guardamos para sempre

    beijo, amiga

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu só soube muito mais tarde....

      Bom resto de 2017, feliz 2018!

      Eliminar

"BENVEGUT AQUÈL QUE NOS VEN MANS DEBÈRTAS"
(Saudação Cátara)

Arquivo do blogue